terça-feira, 14 de junho de 2016

CBF decide nesta terça se demite Dunga; Tite é o preferido


O novo fracasso da seleção brasileira, desta vez na Copa América Centenário, nos Estados Unidos, aumentou bastante as chances de o técnico do Corinthians, Tite, vir a substituir Dunga no comando da equipe. Esse quebra-cabeça vai começar a ser montado durante reunião da cúpula da entidade com Dunga e o coordenador de seleções, Gilmar Rinaldi, tão logo a dupla chegue ao Rio nesta terça.

A tendência é que Dunga seja demitido e leve com ele praticamente toda a comissão técnica. A situação dos auxiliares do treinador se deteriorou nas vésperas da competição disputada nos EUA, tal a quantidade de atletas que tiveram de ser cortados do grupo por problemas médicos. A avaliação da CBF é que não houve uma observação cuidadosa do estado desses jogadores, o que prejudicou em parte a preparação para a Copa América.

Com o eventual afastamento de Dunga, Tite passaria a ser a aposta da CBF. Depois de duas recusas seguidas, em 2015 e 2016, para dirigir a equipe, ele se mostra agora mais maleável e permanece como o nome da cúpula da entidade para a vaga de Dunga.

Entre os dirigentes mais próximos do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, o raciocínio para o grupo se manter no poder é simples: tudo pode ir mal na confederação, menos o futebol da seleção principal. Com o novo fiasco do time, eliminado pela seleção do Peru, a pressão passou a ser grande na CBF a favor de uma mudança no comando do futebol.

A reunião desta terça, a princípio, trataria da elaboração de lista de 35 nomes para a disputa dos Jogos Olímpicos. Mas a pauta passou a ser mais abrangente após a queda precoce da seleção na Copa América.