quarta-feira, 22 de junho de 2016

Com preço em alta, Brasil decide liberar importação de feijão; produto virá de Argentina, Paraguai e Bolívia


O governo federal liberou a importação de feijão de países vizinhos na tentativa de baixar o preço do produto nos supermercados. A princípio, a liberação inclui Argentina, Paraguai e Bolívia, mas o Ministério da Agricultura estuda a possibilidade de trazer o produto do México, após assinatura de um acordo sanitário, e da China.

Em nota, o Palácio do Planalto justificou a recente alta no preço do feijão “em função de questões climáticas, que ocasionou a perda de praticamente toda a safra do Centro-Oeste”. Outra medida que está sendo tomada é a negociação com grandes redes de supermercado para que busquem o produto diretamente na fonte.

Segundo a nota, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que o preço do principal produto na mesa dos brasileiros subiu em função de questões climáticas, que gerou perda de praticamente todas a safra no Centro-Oeste.

O ministro afirmou ainda que outra medida sendo tomada, de negociar com grandes redes de supermercado para que busquem o produto onde há maior oferta.

O preço do feijão-carioca seguiu mostrando força em junho, segundo o IPCA-15, com alta de 16,38% sobre o mês anterior, brecando desaceleração mais intensa de alimentos e bebidas, que subiram 0,35% neste mês, sobre 1,03% em maio. No acumulado em 12 meses até maio, os preços do feijão-carioca já subiram quase 42%.

O clima adverso no país tem provocado repiques na inflação de alimentos, afetando também produtos como soja e milho. O movimento ameaça o início do afrouxamento da taxa básica de juros pelo Banco Central, que vem reafirmando que só cortará a Selic — em 14,25% ao ano desde julho passado — quando enxergar arrefecimento suficiente na alta de preços domésticos.