domingo, 19 de junho de 2016

Pressionada, CBF deve pagar R$ 280 mil além do que ofereceu a Tite e comissão


Além de debater neste domingo o dia do anúncio oficial da contratação pela CBF e a apresentação de Tite, o empresário Gilmar Veloz, que representa o treinador e integrantes da sua comissão técnica, espera receber também uma resposta positiva à contraproposta feita à entidade, com valores superiores ao que havia sido oferecido inicialmente.

A CBF sabia quanto Tite recebia no Corinthians e ofertou um montante um pouco superior. Mas, ciente da pressão sobre a CBF e da posição favorável na negociação, o valor pedido foi maior. A diferença entre o que foi proposto pelo representante para pagamento dos salários de Tite e de sua comissão técnica – somados – e o que foi oferecido gira em torno de R$ 280 mil por mês.

Apesar de ter sinalizado para a CBF desde a reunião de terça-feira que salário não seria problema, boa parte desse total se refere à diferença entre o que recebiam no Corinthians os membros da comissão técnica com quem Tite faz questão de contar – a negociação do contrato do gerente Edu Gaspar não é feita por Veloz, e, portanto, não entra nessa conta. Desde o início da negociação, a CBF apostou no nome de Tite e não colocou outras opções em pauta.