quarta-feira, 6 de julho de 2016

Ex-presidente da Argentina também está enrascada


Pela segunda vez em menos de três meses, a ex-presidenta da Argentina Cristina Kirchner vai comparecer à Justiça nesta quarta-feira (6). Ela vai depor num processo que investiga a venda de contratos futuros de dólar a preços abaixo do mercado internacional, que teria causado prejuízo aos cofres públicos equivalente a R$ 17 bilhões. No último dia 3, ela deu a primeira entrevista a um canal de televisão desde que deixou a Casa Rosada, em dezembro passado, para criticar a política econômica do atual presidente, Mauricio Macri, e dizer que se sente vítima de uma “perseguição” judicial, com fins políticos.

Segundo Cristina, o aumento brutal (cerca de 500%) das tarifas dos serviços públicos, imposto por Macri depois de anos de precos subsidiados ou congelados, era desnecessário e contribuiu para criar “neopobres”. No primeiro trimestre deste ano, o número de argentinos vivendo abaixo dos níveis de pobreza aumentou 3,6%. Mas, segundo Macri, isso é fruto de anos de inflação anual de dois dígitos, déficit fiscal e políticas pouco transparentes, que afugentaram os investidores – herança dos últimos 12 anos de governos Kirchner.