quinta-feira, 14 de julho de 2016

Morre, aos 70 anos, o cineasta Hector Babenco


Morreu na noite desta quarta (14), aos 70 anos, o cineasta Hector Babenco. Ele sofreu uma parada cardíaca em sua casa, por volta das 23h. A informação foi confirmada à Folha por sua ex-mulher, Raquel Arnaud.

Argentino radicado no Brasil, Babenco foi um dos mais importantes cineastas do país. Realizou “O Beijo da Mulher-Aranha” (1985), filme que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor diretor e o prêmio de melhor ator a William Hurt. Um de seus longas mais conhecidos é “Pixote: A Lei do mais Fraco” (1981), sobre um garoto pobre paulistano que se afeiçoa a uma prostituta vivida por Marília Pêra.

“Carandiru” (2003), sobre o cotidiano e o massacre no famoso presídio paulistano, foi um de seus últimos sucessos.

Nos anos 1990, o diretor foi vítima de um câncer no sistema linfático que o levou a sessões de quimioterapia. O fato inspirou seu último filme, o semiautobiográfico “Meu Amigo Hindu”, lançado no ano passado. O longa retrata um cineasta (Willem Dafoe) às voltas com um tumor agressivo.