terça-feira, 12 de julho de 2016

O Príncipe e seus mercenários nunca saem de cena


“O Príncipe”, livro de Nicolau Maquiavel, uma das pérolas da Ciência Política, parece sempre atual, quando a gente observa o frisson desses tempos.

Ele data de 1513.

De lá até nossos dias, parece ser crônica do poder cotidiano.

E olhe que já se passaram 503 anos do seu lançamento.

Atualíssimo, que se diga.

Mergulho em um de seus trechos, para descobrir que parece ser uma crônica de nossos dias, em nossa cidade, por exemplo:
“(…) O príncipe que defenda seus domínios com o apoio de mercenários, nunca terá uma posição firme ou segura, pois são soldados desunidos, ambiciosos, sem disciplina e infiéis, ousados entre amigos, covardes frente aos inimigos; não temem a Deus nem são leais aos homens.”
Tem mais: “Os que entregam a sua proteção aos mercenários são despojados na guerra pelos inimigos, e na paz por eles próprios (…)“.

Não precisamos ir longe para encontrarmos esses personagens: os príncipes e seus mercenários nunca saem de cena.