domingo, 31 de julho de 2016

Quase metade dos ministros de Dilma receberá salário até o fim do ano

Com direito à chamada quarentena, quase metade da equipe de ministros que integrou o governo federal até o afastamento da presidente Dilma Rousseff receberá salário mensal até o fim do ano.

O benefício foi conferido até agora a 17 ministros do segundo mandato da petista, 15 dos quais permaneceram na função até a saída dela, e autorizado pela Comissão de Ética da Presidência da República, estrutura da responsável por analisar solicitações de remuneração.

O colegiado federal tem avaliado pedidos de ministros e assessores da gestão petista desde maio, quando a presidente foi afastada do Palácio do Planalto.

Pela regra, os auxiliares receberão remuneração integral que detinham no cargo pelo período de seis meses. A remuneração atual de um ministro é de R$ 30,9 mil.

Na lista de beneficiados, constam os ex-ministros Aloizio Mercadante (Educação), Jaques Wagner (Casa Civil), José Eduardo Cardozo (Justiça), Nelson Barbosa (Fazenda), Ricardo Berzoini (Governo), Izabela Teixeira (Meio Ambiente), entre outros.

Nesta semana, o órgão federal concedeu o benefício a Juca Ferreira (Cultura) e a mais dois assessores presidenciais da petista que a acompanham no período de afastamento.

Receberão remuneração Jorge Messias, o “Bessias”, citado em conversa telefônica interceptada pela Polícia Federal entre a petista e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e Sandra Brandão, apelidada de ‘Google do Planalto’ por fornecer rapidamente dados governamentais durante os debates televisivos de 2014.