terça-feira, 9 de agosto de 2016

Empreendedor fatura R$ 700 mil por mês com coletor menstrual

O Período menstrual costuma ser um desafio na vida das mulheres. Não apenas pela TPM, mas também pelo desconforto causado por absorventes comuns e o perigo dos vazamentos. Com isso em mente, algumas empresas começaram a investir em coletores menstruais para evitar os problemas dos absorventes externos e como uma saída mais sustentável e econômica a esses métodos tradicionais. Este é o caso da Fleurity, marca de coletor menstrual, criada pelo brasileiro Rafael Born, 32 anos.

No começo de 2015, Born percebeu o crescimento da tendência mundial dos coletores e resolveu trazê-la para o Brasil. “Já existiam algumas marcas de coletores no Brasil, mas nada tão forte quanto nos Estados Unidos. Além disso, aqui no país, nenhuma marca vendia dentro das principais redes de drogarias brasileiras. Foi quando percebi uma oportunidade de negócio”, conta o empreendedor.

Em média, uma mulher descarta até três quilos de lixo por ano apenas com absorventes. Por isso, o coletor menstrual que dura até 10 anos é considerado também mais sustentável. O coletor é um copinho reutilizável feito de silicone hipoalergênico que permite praticar atividades físicas, dormir e ficar até 12 horas com ele sem precisar trocá-lo.