segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Estamos muito longe do pódio

“O quadro de medalhas (na Olimpíada) reflete a concentração da riqueza no mundo e a importância que os países dão à qualidade de vida. (…) Os países ricos têm mais estrutura para incentivar o esporte e as exceções a essa regra têm mais a ver com talentos individuais”.

A economista Monica de Bolle acrescenta:

“O desempenho do Brasil é reflexo de tudo o que caracteriza o país. O potencial claramente existe, haja vista as inúmeras histórias de superação. Contudo, falta planejamento, alguma grana e disciplina”.

Mas não fizemos uma “festa bonita”?

Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating, ao Correio Braziliense