terça-feira, 30 de agosto de 2016

Senadores do RN perguntam e Dilma responde

Fátima Bezerra (PT-RN) pergunta: senadora diz sentir-se triste em ter que participar de um “tribunal de exceção” em seu primeiro mandato. A congressista afirma que Dilma enfrenta o julgamento com a “coragem dos inocentes”. E diz: “Espero que a marcha dos derrotados nas urnas não prospere”. A senadora pergunta a Dilma como ela se sente ao ver que pode ser retirada da presidência por inserir a educação no projeto do governo federal.

Dilma responde: a presidente afastada faz um balanço de programas sociais do governo federal, citando ações adotadas na educação, como Ciências sem Fronteiros, Pronatec, a Lei de Cotas e os valores do pré-sal destinados ao setor, o que ela classifica por ela como “passaporte para o futuro”.

José Agripino (DEM-RN) pergunta: ele questiona por que Dilma não antecipou providências atendendo o Tesouro e o TCU.

Dilma responde: Em resposta ao senador José Agripino (DEM-RN), Dilma diz que o questionamento sobre o Plano Safra ser ou não operação de crédito é no mínimo controverso. “Se vão criminalizar a presidência da República no ano de 2016, então criminalizem todos desde o ano 2000”, afirma Dilma no Senado. “Não é possível que uma coisa que foi feita por todos os governos, agora o TCU diz que não pode mais fazer. Isso é um retrocesso. Mudaram a regra do jogo quando estava no segundo tempo do jogo. E querem que a gente volte atrás não só para o primeiro tempo desse jogo, mas para o primeiro tempo de todos os jogos que antecederam. Esse processo tem uma falha. Beira ao mais completo e integral absurdo”, diz Dilma ao senador José Agripino (DEM-RN).

Garibaldi Alves (PMDB-RN) não fez perguntas