quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Corte internacional analisa denúncia de chacina no Brasil

A primeira parte da audiência na Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA) foi realizada na tarde de hoje (12), em Quito, no Equador, sede da entidade, para analisar a execução de 26 pessoas e de tortura sexual de três adolescentes, supostamente praticadas por policiais civis, em incursões na Favela Nova Brasília, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro, nos dias 18 de outubro de 1994 e 8 de maio de 1995.

O relator para o estado do Brasil na Corte, Francisco Eguiguren Praeli, afirmou que, entre os mortos estavam seis crianças e há indícios de uso excessivo de força letal por parte dos agentes do estado, além da continuidade da inadequação nas investigações, feitas de forma a culpar as vítimas pela própria morte e não de apurar a legitimidade e proporcionalidade do uso da força letal.

Segundo Praeli, “passaram-se mais de 20 anos dessas 26 execuções extrajudiciais e atos de tortura sexual dessas adolescentes, mas os casos continuam em uma situação de total impunidade. O caso inclui a estigmatização das vítimas como criminosos e a consequente sensação de impunidade dos envolvidos”.