quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Prefeitura do Natal vai cortar despesas e descarta aumento de impostos


O prefeito Carlos Eduardo, juntamente com o controlador-geral do Município José Dionísio Gomes e dos secretários de Tributação, Ludenilson Lopes, e Planejamento, Virgínia Ferreira, concedeu entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (25), no Palácio Felipe Camarão, para tratar da situação financeira do município. Entre as medidas anunciadas pelo chefe do Executivo municipal estão a redução de gastos e a criação de projetos de lei que resultem em economia para o município. O prefeito descartou ainda o aumento de impostos. A meta é atingir uma economia de R$ 160 milhões nas finanças municipais em 2017.

“As nossas receitas, ISS e ITIV, por exemplo, cresceram. Mas as receitas da crise sofreram um golpe drástico. Para se ter uma ideia, de janeiro a setembro o município de Natal perdeu cerca de R$ 95 milhões de receita, sobretudo de ICMS e FPM. E isso dificulta o bom funcionamento da máquina pública. Mas nós não desistimos. Estamos insistindo e persistindo para fazer com que essa cidade sofra o menos possível, por isso vamos adotar mais medidas de economia. Além disso, continuaremos fiéis ao que dissemos anteriormente: não vamos aumentar impostos. Vamos agir no corte das nossas despesas”, disse o prefeito Carlos Eduardo.

Desde 2013, a Prefeitura do Natal vem executando medidas de diminuição de gastos como: redução nos gastos de custeio no percentual mínimo de 25%; reavaliação dos contratos de aluguel (automóveis, imóveis, reprografia, etc); redução dos gastos com combustíveis, diárias, passagens, telefonia, energia elétrica e consumo de água. Para o período 2016/2017, outras dez novas medidas serão executadas e a expectativa é de que haja uma economia mensal de R$ 5.416.613,00 e anual de R$ 64.999.360,00.