quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Consumo leve de álcool controlaria colesterol

O consumo moderado de álcool contribui para um declínio mais lento da lipoproteína de alta densidade (HDL), conhecida como o “bom colesterol”, ao longo do tempo – ao menos é isso que indica um estudo preliminar apresentado no evento American Heart Association’s Scientific Sessions 2016.

Considerando dados de 80 mil adultos chineses saudáveis, os pesquisadores acompanharam o histórico de consumo de álcool e níveis do colesterol HDL por mais de seis anos. Eles agruparam os indivíduos em status de consumo de bebidas de acordo com o relato dos próprios pesquisados: de pessoas que não bebem ao consumo pesado (mais de uma dose diária de álcool para mulheres e duas para homens).

Níveis de HDL diminuíram entre todos os participantes ao longo do tempo, mas o consumo moderado de álcool (meia dose diária de álcool para mulheres e até duas para homens) foi associado com um declínio mais lento na comparação com não consumidores e consumidores pesados.

Por outro lado, o consumo pesado praticamente eliminou o benefício.

Os pesquisadores também analisaram se os benefícios do consumo de álcool dependiam do tipo de bebida ingerida. A cerveja se apresentou como um fator que desacelerou o declínio do HDL; já entre bebidas destiladas, apenas consumidores leves (de 0 a 0,4 dose diária de álcool para mulheres e menos de uma para homens) e moderados apresentaram o benefício.

Não houve consumidores de vinho suficientes para verificar os efeitos dessa bebida no HDL, por isso os pesquisadores, da Universidade da Pensilvânia, apontaram que é preciso observar outras populações e tipos de álcool consumido.

A Associação Americana do Coração recomenda o consumo moderado de álcool, mas, no caso de um consumidor iniciante, indica que um médico seja consultado. O HDL é associado à proteção do coração, pois contribui para a eliminação nos vasos de colesteróis ruins, como o LDL.