domingo, 6 de novembro de 2016

Dilma publica nota e diz que Brasil “vive estado de exceção”


A ex-presidente Dilma Rousseff denunciou através de uma nota publicada em seu site e nas redes sociais que o país vive um “estado de exceção” e condenou uma ação policial realizada ontem em uma escola do Movimento Sem Terra (MST).

No texto, Dilma disse que é “assustador que o retrocesso que vem ocorrendo no Brasil, iniciado com o golpe”, como classifica o julgamento político que causou sua cassação por supostas irregularidades.

Ela se referia a uma operação que a Polícia Civil realizou nesta sexta-feira na Escola Nacional Florestan Fernandes, no município de Guararema, em São Paulo, onde policiais foram para cumprir mandado de prisão por crimes como furto e dano qualificado, roubo, invasão de propriedade e incêndio criminoso.

“A invasão da Escola Nacional Florestan Fernandes, ligada ao MST, é um precedente grave. Não há porque admitir ações policiais repressivas que resultem em tiros e ameaças letais, ainda mais em uma escola”, escreveu.

Para a ex-presidente, é inaceitável criminalizar o MST e não se pode “conviver com cenas em que policiais submetem estudantes a algemas e ao cárcere. Isso é inadmissível em uma democracia”.

No comunicado, Dilma pediu que os brasileiros combatessem a “adoção de claras medidas de exceção”.

“É uma ameaça à democracia que envergonha o país aos olhos do mundo”, finalizou.

Terra