quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Lava Jato: anistiar caixa 2 é beneficiar confraria de corruptos, diz procurador

Procuradores da força-tarefa que investiga os crimes apurados no âmbito da Operação Lava Jato voltaram a manifestar preocupação com a hipótese de o Congresso Nacional aprovar mudanças legislativas que, para eles, ameaçam o combate à corrupção – como uma eventual anistia a políticos envolvidos em caixa 2 e novas regras para os acordos de leniência, que, hoje, permitem a redução das penas impostas a empresas investigadas que colaboram com a Justiça.

“Não há uma forma mágica de tratar a corrupção e interromper esses delitos a não ser por meio de políticas públicas, do aperfeiçoamento do nosso sistema legislativo-penal, do fortalecimento das instituições”, comentou o procurador da República Roberson Pozzobon durante coletiva de imprensa para detalhar a 36ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada hoje (10).

Pozzobon comentou a relação entre os vários personagens investigados pela Lava Jato, a quem ele classificou como “corruptores” integrantes de uma “verdadeira confraria”. Os investigadores afirmam que Assad repassou cerca de R$ 24 milhões para contas de Duran.