terça-feira, 29 de novembro de 2016

‘Vaquejada Legal’ recebe apoio de autoridades políticas no Nordeste


Ato em defesa da ‘Vaquejada Legal’ reuniu vaqueiros, entidades e políticos, no agreste pernambucano. O movimento foi realizado em Bezerros (PE), durante o 14º Potro do Futuro e Campeonato Nacional ABQM de Vaquejada, que recebeu mais de 25 mil pessoas entre os dias 24 e 28 de novembro, no Parque Rufina Borba. O ex-ministro Aldo Rebelo, deputados federais e deputados estaduais de Pernambuco manifestaram apoio ao esporte regulamentado.

“A Vaquejada se faz com boi, cavalo, vaqueiro, criador, seleiro, arrieiro, tratador, domador, transportador, veterinário e fabricante de insumos. Ou seja, é uma atividade intensiva em mão de obra e em empreendedorismo, que gera emprego e renda. Ela é patrimônio da cultura, da identidade e da memória do Brasil. Sou solidário e tenho identidade com essa causa, pelo que ela representa em todos esses aspectos para o nosso país”, defendeu Rebelo.

Em discurso, o deputado estadual Joaquim Lira disse que são muitos os pais e mães que dependem da Vaquejada para sustentar suas famílias. “A economia é muito forte em torno dessa cultura e desse esporte. No momento em que o Brasil tem mais de 12 milhões de desempregados, desempregar ainda mais gente é uma temeridade muito grande. Então, temos que colocar isso também na nossa fala lá no Congresso Nacional”, enfatizou Lira.

No ato, organizado pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM) e pela Associação Brasileira de Vaquejada (ABVAQ), os deputados federais, João Fernando Coutinho e André de Paula, o estadual, Waldemar Borges, além do prefeito de Bezerros, Severino Otávio, defenderam a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 50/2016), votada pelo Senado Federal, que reconhece a Vaquejada como patrimônio cultural brasileiro.

Para Fabio Pinto da Costa, presidente da ABQM, esse encontro mostrou não só a importância dessa atividade, mas a disposição de autoridades nessa relevante causa do esporte nacional. “Só nos interessa uma prática legal em que os animais sejam bem cuidados e bem tratados. E isso já estamos fazendo em nossos eventos há muito tempo, a partir da implantação de regulamentos e normas que protegem os animais nas provas”, assegurou o presidente.