quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

País deve enfrentar a recessão mais intensa da história

O IBGE informou ontem que o PIB brasileiro recuou 0,8% no terceiro trimestre, com a crise se aprofundando e afetando praticamente todos os setores da economia.

A indústria e os investimentos, que haviam se recuperado no segundo trimestre, voltaram a cair.

O consumo das famílias também recuou, e o PIB per capita já acumula perda de 10,3% desde o segundo trimestre de 2014.

Economistas afirmam que o desequilíbrio fiscal, os juros altos, o desemprego elevado e o cenário externo incerto dificultam a retomada do crescimento.

E já não descartam saída ainda mais demorada da recessão, com o risco de o PIB voltar a cair também em 2017.

Com isso, o atual ciclo recessivo deve ser o mais grave da história recente, superando em intensidade e duração as crises de 1981 a 1983, quando houve a moratória da dívida externa, e de 1989 a 1992, no confisco do Plano Collor.