Morre Marco Aurélio Garcia, ex-assessor especial de Lula e Dilma - Blog do Joabson Silva | Opinião e notícia

NOVAS

20/07/2017

Morre Marco Aurélio Garcia, ex-assessor especial de Lula e Dilma


Morreu nesta quinta-feira o historiador Marco Aurélio Garcia, ex-assessor especial de Assuntos Internacionais dos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Dirigente histórico do PT, Garcia estava com 76 anos e sofreu um infarto fulminante em São Paulo.

Garcia foi um dos principais responsáveis pela formulação dos programas de governo de candidaturas de Lula em 1994, 1998 e 2006. Ele também trabalhou ativamente para a eleição de Dilma em 2010.

É creditada a Garcia a mudança ideológica na política externa do Brasil durante as administrações petistas. Ele defendia a tese de que o país deveria se distanciar de Estados Unidos e Europa para se alinhar aos governos de esquerda que chegaram ao poder na última década em diversos países da América Latina.

Garcia também foi um dos articuladores do processo que levou o Brasil a priorizar as relações comerciais com os países que integram os Brics (Rússia, China, Índia e África do Sul).

Professor aposentado do Departamento de História da Unicamp, Garcia nasceu em Porto Alegre e chegou a se eleger vereador na cidade. Exilou-se por nove anos durante a ditadura militar e morou na França, Chile e Uruguai. Ao regressar ao Brasil, ajudou a fundar o Partido dos Trabalhadores (PT), ao qual ainda era filiado. Também foi um dos organizadores do Foro de São Paulo, que reúne dirigentes de diversos partidos e organizações de esquerda latino-americanos.

“Top Top”

Em 2007, Garcia ganhou o apelido de “Top Top” ao ser flagrado fazendo gestos obscenos enquanto assistia a uma reportagem sobre o acidente com o Airbus A320 da TAM, que saiu da pista no Aeroporto de Congonhas e matou 199 pessoas. O noticiário informava sobre a descoberta de um defeito técnico na aeronave. Garcia, que estava em seu gabinete no Palácio do Planalto quando foi filmado por uma câmera de televisão, fazia os gestos porque o governo Lula chegou a ser responsabilizado pela tragédia. O acidente completou dez anos na última segunda-feira.

“Aquilo foi uma das coisas mais sórdidas que montaram contra mim”, disse Garcia, ao comentar o episódio em uma entrevista à revista Piauí, em 2009. “Antes que houvesse qualquer evidência, começaram a culpar o governo. Ficamos numa tensão muito grande, pois o caso envolvia a morte de cerca de 200 pessoas. A Folha de S.Paulo chegou a publicar um artigo que acusava o presidente de assassino.”

Na mesma entrevista, Garcia disse que, com a reviravolta nas investigações, “a Globo não teve como esconder a notícia e acabei fazendo aquele gesto, mas lógico que não era uma comemoração, era um desabafo. Era como se eu dissesse para a Globo: ‘Vão para a PQP, seus irresponsáveis.’ Eu estava sob enorme tensão, na minha sala, em privado, com meu assessor”.