Mais de 100 concursos com salários acima de R$ 6 mil são boa oportunidade - Blog do Joabson Silva | Opinião e notícia

NOVAS

28/08/2017

Mais de 100 concursos com salários acima de R$ 6 mil são boa oportunidade


Na crise, órgãos fora do Distrito Federal se tornam opções atrativas, mas é preciso avaliar se vale a pena mudar de cidade por causa do serviço público antes de apostar nos estudos. Segundo professores, a dica para passar é ter foco e disciplina

Ante a pretensão da gestão de Michel Temer de reestruturar as carreiras do Poder Executivo Federal e estabelecer um teto de R$ 5 mil para o salário inicial oferecido em concursos, as 1.174 vagas abertas em 120 seleções com remunerações que ultrapassam esse valor se tornam ainda mais atrativas.

“Há mais editais publicados no momento porque 2016 e o início de 2017 foram difíceis para certames devido ao enxugamento da máquina pública. A partir de agora, a tendência é que as seleções se dispersem mais no tempo e que os órgãos não nomeiem tanto”, comenta Rodrigo Bezerra, gerente pedagógico dos cursos on-line do Complexo de Ensino Renato Saraiva (Cers).

Para o professor de finanças públicas da Universidade de Brasília (UnB) Roberto Bocaccio Piscitelli, “o momento não é particularmente favorável para concurseiros”. Segundo ele, essa atividade que sempre foi muito visada, principalmente em Brasília, sofre uma culpabilização com a crise.

“Há quase uma campanha contra o servidor público, como se ele fosse responsável pela situação econômica do país. Dizem haver gastos excessivos, mas as despesas com juros da dívida pública, por exemplo, são praticamente o dobro do gasto com pessoal”, afirma.

Apesar do cenário sombrio, há ofertas interessantes com salários acima de R$ 6 mil. No âmbito nacional, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) tem 52 vagas com remunerações entre R$ 6,3 mil e R$ 10,4 mil. Thaís Alves de Souza, 24 anos, conseguiu uma vaga de nível médio no órgão há quatro anos e agora vai concorrer a uma de analista judiciário.

“Minha motivação é, principalmente, a remuneração, que aumenta bastante. Além disso, eu me formei depois de concursada”, conta a bacharel em direito. Antes de assumir o cargo no TST, Thais passou pela Secretaria Adjunta de Desenvolvimento Social e pelo Ministério da Fazenda.“Escolhi fazer concursos por três motivos: estabilidade, segurança e salário. Pretendo estudar para ser delegada, então vou focar na Polícia Civil do DF”, destaca.