Varejo restrito do RN registra crescimento de 2,2% sobre junho de 2016, revela IBGE - Blog do Joabson Silva | Opinião e notícia

NOVAS

17/08/2017

Varejo restrito do RN registra crescimento de 2,2% sobre junho de 2016, revela IBGE


O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta terça-feira, 15, os novos números do comércio varejista relativos ao Rio Grande do Norte. Desta feita, os algarismos se referem ao último mês de junho e traz comparativos com os meses anteriores, além dos resultados também comparativos com os períodos de seis a doze meses.

Para facilitar o entendimento, o órgão estatístico fez separações para os segmentos de varejo restrito e ampliado. No caso do restrito, que não conta com as ações do comércio ligadas a materiais de construção e automóveis, houve crescimento de 2,1% sobre o mês de maio no RN. No comparativo com junho 2016, o mesmo mês de 2017 também teve crescimento: 2,2%.

Todavia, se analisados apenas os números de janeiro até junho deste ano, o varejo restrito caiu 1,3%. Já considerando apenas os últimos 12 meses (julho de 2015/junho de 2016), a queda é mais acentuada: 5,3%.

No caso do varejo ampliado, o Rio Grande do Norte teve queda de 0,5% se comparado com junho de 2016. Em 2017, o índice também aponta queda de 4,3%, enquanto que, no comparativo com os últimos 12 meses (também referentes a julho de 2015/junho de 2016), os algarismos negativos são ainda maiores: 6,9%.

Cenário nacional

No âmbito nacional, os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre as vendas do varejo apontam avanços de 1,20% em junho ante maio, além de crescimentos de 3,0% em relação ao mesmo mês do ano passado. No ano, porém, as vendas do varejo restrito acumularam retração de 0,1% no ano e queda de 3,0% em 12 meses.

No trimestre encerrado naquele mês, a alta foi de 2,5% ante o mesmo período do ano passado, interrompendo uma sequência de nove trimestres seguidos de queda e ficando dentro da expectativa de analistas consultados pelo Broadcast. A previsão para este recorte do indicador, que exclui os setores automotivo e de material de construção (restrito), ia de alta de 0,5% a 3,3%.

O resultado é o avanço mais significativo desde o segundo trimestre de 2014, quando o varejo teve uma alta de 4,1%. “A melhora entre atividades do varejo foi generalizada no segundo trimestre, seja porque reverteram a queda para crescimento seja porque diminuíram o ritmo de perdas”, disse Isabella Nunes, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.

Quanto ao varejo ampliado, as vendas subiram 2,5% em junho ante maio, na série com ajuste sazonal. No trimestre, elas avançaram 2,9% ante o mesmo período do ano passado, o melhor desempenho desde o quarto trimestre de 2013, quando cresceu 3,6%. O movimento interrompe uma sequência de 12 trimestres consecutivos de perdas.

Na comparação com junho de 2016, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 4,4% em junho de 2017. Nesse confronto, as projeções variavam de uma expansão de 0,50% a 5,91%, com mediana positiva de 3,50%.

As vendas do comércio varejista ampliado subiram 0,3% no ano e recuaram 4,1% em 12 meses.