No RN, mercado de trabalho dá sinais de recuperação desde janeiro - Joabson Silva

NOVAS

14/12/2017

No RN, mercado de trabalho dá sinais de recuperação desde janeiro


O Rio Grande do Norte registrou nos dez primeiros meses do ano a criação de 3.491 postos de trabalho formal segundo informações do Cadadastro Geral dos Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego. A tendência é de recuperação do mercado de trabalho no estado, que terminou o mês de outubro com 1.037 empregos criados, contrastando com os mesmos períodos de 2015 e 2016, quando houve perdas de 7 mil e 11,3 mil empregos respectivamente no acumulado entre os meses de janeiro e outubro.

A análise do comportamento do mercado de trabalho no Rio Grande do Norte consta na edição 29 do Boletim dos Pequenos Negócios, divulgada nesta quarta-feira, 13, pelo Sebrae no Rio Grande do Norte. O informativo é mensal e contém indicadores da economia potiguar que influenciam direta ou indiretamente o segmento das micro e pequenas empresas. Essa edição traz uma análise da série histórica em períodos situados nos últimos cinco anos. O material pode ser consultado na íntegra no portal www.rn.sebrae.com.br na seção “Boletim Econômico para MPE’s”.

Em âmbito nacional, os índices positivos de empregos foram alavancados pelo segmento das micro e pequenas empresas, que são responsáveis pelo saldo positivo de empregos gerados no Brasil este ano. Os pequenos negócios chegaram a outubro alavancando vagas pelo sétimo mês consecutivo. De acordo com levantamento feito mensalmente pelo Sebrae, as pequenas empresas abriram 60,5 mil postos de trabalho formal no mês passado, respondendo por quase 80% dos empregos criados no país nesse mês.

Ao longo do ano, com exceção do mês de março, o segmento apresentou número de contratação superior ao de demissões. Enquanto as empresas de micro e pequeno porte acumulam saldo positivo de 463 mil novos empregos, as médias e grandes fecharam ao todo 178,8 mil postos de trabalho.

Em outubro, o Comércio reuniu a maior quantidade das vagas geradas nas micro e pequenas empresas, com a criação de 30,1 mil novos postos. Em seguida, estão os pequenos negócios do setor de Serviços, com 19,6 mil empregos, principalmente nas atividades imobiliárias (9,1 mil vagas) e nos Serviços de alojamento e alimentação (5 mil postos).

No acumulado do ano até outubro, a geração de empregos nas empresas de micro e pequeno porte foi destaque no setor de Serviços, que contratou quatro vezes mais que os pequenos negócios da Indústria de Transformação.