Militar é encontrado morto dentro de alojamento durante operação das Forças Armadas no RN - Joabson Silva

NOVAS

02/01/2018

Militar é encontrado morto dentro de alojamento durante operação das Forças Armadas no RN


Um militar das Forças Armadas brasileiras foi encontrado morto dentro do alojamento montado pela Operação Potiguar III em um ginásio de Mossoró, na região Oeste potiguar. O caso aconteceu na madrugada desta segunda-feira (1º) e foi confirmado pela comunicação do Exército. Cerca de 2,8 mil homens foram enviados ao Rio Grande do Norte neste final de semana para reforçar a segurança do estado, que enfrenta uma paralisação de policiais e bombeiros desde o dia 19.

Em entrevista coletiva no final da manhã desta segunda (1º), em Natal, o ministro da Defesa, Raul Jungmann afirmou que o caso ainda está sendo investigado. "Ainda não temos informações concretas. Mas o que já podemos informar é que não houve um crime", pontuou.

O militar foi identificado como o 1° tenente Júlio César Ribeiro Feitosa Soares, do 23° Batalhão de Caçadores, sediado em Fortaleza. A motivação da morte ainda não foi informada pela corporação. Uma equipe da Delegacia de Plantão de Mossoró foi até o ginásio Pedro Ciarlini, no bairro Bom Jardim, por volta das 7h desta segunda, mas foi impedida de entrar no local.

O delegado de plantão foi informado pelos militares que eles aguardavam a perícia da Polícia Federal e de um perito militar, que viria de Recife.

A assessoria da Operação Potiguar III confirmou a morte de um militar e que o fato ainda está sendo apurado. De acordo com a corporação, quando houver mais informações, elas serão divulgadas em nota. O Exército também afirmou que está dando apoio aos familiares do militar.

Paralisações

Os militares começaram a atuar no Rio Grande do Norte na última sexta-feira (29), após o governo federal atender a um pedido do Estado. O objetivo da operação é garantir a lei e a ordem durante uma paralisação das polícias Militar, Civil e do Corpo de Bombeiros, que começou no dia 19 de dezembro. Sem policiamento nas ruas houve aumento da violência na região metropolitana de Natal, Mossoró e outros municípios do interior.

Pelo menos 720 militares já estavam na capital no primeiro dia de operações. Até o final do sábado, 2,8 mil estavam no estado (inicialmente o Ministério da Defesa havia anunciado 2 mil homens). Eles foram divididos entre a Grande Natal e Mossoró.

Policiais e bombeiros cobram pagamento de salários e anunciaram uma operação padrão denominada "Segurança com Segurança". Com isso, alegam que só deixarão os batalhões com viaturas e equipamentos em condição de uso.

Neste domingo (31), o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte determinou que os comandantes prendam e abram procedimento de expulsão dos militares que estejam incitando ou defendendo o movimento. Em outra decisão, do sábado (30), a Justiça autorizou o estado a remanejar R$ 225,7 milhões recebidos do Fundo Nacional da Saúde, entre outros recursos, para pagar salários de novembro, dezembro e o décimo terceiro aos servidores estaduais.

Salários

O governo não conseguiu cumprir um calendário que havia divulgado no dia 21 de dezembro de pagamento dos salários. O próprio governador Robinson Faria anunciou que o RN receberia R$ 600 milhões do governo federal, mas o Ministério da Fazenda negou o repasse após recomendação do Ministério Público de Contas.

Nesta sexta-feira, a administração estadual pagou apenas o salário de novembro dos servidores que recebem até R$ 4 mil. Mais de 80% da polícia foi contemplada, porém a paralisação continou. O pagamento do restante dos servidores será feito na primeira semana de janeiro, segundo informou o governo em nota, sem especificar o dia.

Na terça (26), a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, afirmou que está em estudo no Ministério da Fazenda e no Banco Mundial um plano para ajudar o Rio Grande do Norte. Segundo ela, a ajuda não envolverá recursos da União, mas um empréstimo do Banco Mundial ao estado.

Apesar disso, o governo do RN pediu ao ministro da Fazenda Henrique Meirelles que reconsidere a decisão de não enviar ajuda financeira no valor de R$ 600 milhões ao estado e ainda entrou com um recurso de embargo de declaração no Tribunal de Contas da União.

O objetivo, segundo a administração, é esclarecer a decisão do TCU que tinha sido favorável à transferência de auxílio do governo federal aos estados em crise fiscal, entre eles o RN.