No RN, Idema orienta população a não alimentar nem agredir macacos - Blog do Joabson Silva | Opinião e notícia

NOVAS

31/01/2018

No RN, Idema orienta população a não alimentar nem agredir macacos


O Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema) soltou uma nota em que orienta a população para que não alimente os saguis em suas áreas de conservação. Além disso, o órgão reforçou que não há razão de agredir os macacos, e que essa agressão é crime ambiental previsto na Lei Federal nº 9.605/98.

O Idema informou que, há pouco mais de um mês, a equipe do Parque das Dunas, área de preservação na Zona Leste de Natal, acompanha uma epizootia de saguis-de-tufos-brancos (Callithrix Jacchus), primatas que vivem na área do bosque. De acordo com o que explica o próprio Instituto, epizootias são episódios de doenças que acometem uma determinada comunidade animal e que se dissemina com rapidez.

Ao longo dos anos já aconteceram diversos casos e, neste recente, assim como nos anteriores, toda a vigilância e monitoramento estão sendo feitos. O Idema alerta sobre a importância da sensibilização das pessoas para não alimentarem animais silvestres. O hábito de oferecer alimentos aos bichos não é recomendado por biólogos por interferir na manutenção natural dos ecossistemas.

“Os saguis-de-tufus-brancos são primatas endêmicos do Nordeste e únicos primatas que vivem na área do Parque das Dunas. Toda alimentação deles é baseada em frutos, seiva, insetos, ovos, ou seja, uma variedade de alimentos que os animais encontram na Mata. A própria Natureza oferece toda a água e nutrientes necessários para a sobrevivência dos saguis, sem a necessidade da interferência do homem”, afirma o biólogo do Parque das Dunas, responsável pelo setor de fauna, Dhyego Melo.

Os usuários do Parque que se depararem com saguis com sinais de doença, mortos ou com comportamento atípico, devem comunicar à administração. As epizootias são comuns na área do Parque e, até o momento, nenhuma delas teve relação com febre amarela e raiva. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, no Rio Grande do Norte foram registradas 48 epizootias no ano de 2017, sendo que 20 dessas já foram descartadas para as duas doenças.

“Em processos de epizootias não podemos descartar a hipótese do próprio ser humano transmitir doenças para os animais. A herpes humana, por exemplo, é extremamente letal nos primatas e se dissemina muito rápido, então estamos em alerta. É fundamental que as pessoas que frequentam o Parque não alimentem os animais”, disse Dhyego Melo.

Em virtude dos casos de febre amarela registrados em outros estados brasileiros, circularam notícias de pessoas que atentaram contra os macacos, em uma tentativa de impedir a circulação do vírus da febre.

“É importante que a população saiba que a vigilância está acontecendo, que epizootias anteriores não mostraram nenhuma relação com a febre amarela e que nosso estado não é zona de risco. Não há portanto, motivo para pânico, tampouco razão para agressão aos animais, aliás, agredir animais é crime ambiental previsto na Lei Federal nº 9.605/98”, ressaltou Dhyego.

A jornalista Margot Ferreira encontrou próximo à residência em que mora, no Tirol, Zona Sul de Natal, um sagui com uma pata dianteira e uma traseira amputadas. "Moro na beira da região de mata, é sempre cheio de micos aqui. Mas sumiram. E quando apareceu, foi esse mutilado. Pode ter sido um choque um choque, pode ter sido um animal maior, mas também pode ter sido a ignorância do povo", relata.

Ciro Fagundes, veterinário do Centro de Zoonoses, recolheu o animal no local, depois que a jornalista acionou o serviço. Segundo ele, o sagui ainda passará por exames, para que se produza um laudo que vai precisar o motivo da morte e das lesões. Ainda segundo Fagundes, é comum entre esses macacos amputações por razão de choque em fiação elétrica. O veterinário informou ainda que o Centro de Zoonoses recolheu, em 2018, treze saguis mortos. Em nenhum dos casos o que levou os animais à morte foi o vírus da febre amarela.

Epizootia no Parque

A epizootia que acontece desde 14 de dezembro no Parque das Dunas está sendo acompanhada por profissionais da Unidade de Conservação, da Secretaria Estadual de Saúde (SESAP), Secretaria Municipal de Saúde (SMS), do Centro de Controle de Zoonoses e do Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Norte. A equipe se reúne frequentemente para discutir o assunto, analisar as informações e somar esforços para sanar dúvidas e especulações da população. As amostras desses animais são coletadas pelo Centro de Controle de Zoonoses com destino final no Instituto Evandro Chagas, em Belém (PA).

Na área do Parque existem placas proibitivas sobre alimentar os saguis. Esses animais estão acostumados com a presença de humanos e a população tem um papel fundamental nesse processo.

Recomendações do Idema

- Não alimente saguis. Ao alimentar esses animais, as pessoas podem transmitir doenças, e muitas vezes uma doença comum em pessoas pode ser fatal para o animal;

- É importante também não deixar alimentos em locais de fácil acesso, esses animais são espertos e invadem imóveis atrás de comida;

- Se encontrar um animal morto, doente ou com comportamento atípico, deve-se entrar em contato com o Centro de Controle de Zoonoses através do 3232-3285 (se for na área do Parque das Dunas, informar à administração do local);

- Não tentar pegar o animal, pois mesmo se estiver doente e frágil, se ele se sentir acuado poderá reagir e morder para se defender.

- As epizootias ocorrem, e para isso, os casos devem ser comunicados para que o processo seja acompanhado adequadamente.