Prédio histórico que abrigou Sesed na Ribeira corre o risco de cair - Joabson Silva

NOVAS

06/02/2018

Prédio histórico que abrigou Sesed na Ribeira corre o risco de cair


Liberado para funcionamento em 1908 onde abrigou, inicialmente, o Grupo Escolar Augusto Severo, o prédio de propriedade da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) situado ao lado do Teatro Alberto Maranhão, no bairro da Ribeira, zona Leste de Natal, encontra-se em situação extremamente delicada e com risco de queda, segundo informações da própria Universidade. O jornal Agora RN fez uma visita no local na última semana e constatou o cenário de abandono no equipamento, tombado como patrimônio histórico.

Para quem tem boa memória, é possível lembrar que foi neste mesmo prédio que funcionou a histórica Faculdade de Direito do Estado, encarada até hoje como “símbolo da resistência em defesa da liberdade”. Sua última ocupação – e mais recente – foi com a Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), que por lá permaneceu até meados dos anos 90. Desde então está desocupado e até meses atrás servia como abrigo para moradores de rua e usuários de drogas que habitam a região.

Diante do cenário, o setor de imprensa da UFRN foi contactado para ceder informações de possíveis projetos futuros existentes para a área. Segundo a instituição, existe um recurso de R$ 2,6 milhões assegurado para um projeto de revitalização do prédio (já viabilizado junto ao Instituto de Patrimônio Histórico, Artístico Cultural do RN – Iphan). O recurso citado, por sua vez, está garantido pelo programa PAC Cidades Históricas, e o projeto visa restaurar as instalações do equipamento, transformando-o em um museu para a Universidade.

Atualmente, a UFRN trabalha junto à Procuradoria-Geral do Estado (PGE) para conseguir dispensar a licitação do projeto. A alegação para isso é de que as duas chamadas feitas anteriormente com este objetivo, nos anos de 2014 e 2017, deram desertas, não atraindo interesse de possíveis investidores. Conseguindo a dispensa, a Universidade vai iniciar outro processo licitatório, desta vez para a obra, que após concluído permitirá a execução do projeto na íntegra.


Iphan

Uma das partes interessadas na obra – vez que o prédio é tombado como patrimônio histórico potiguar – o Iphan admitiu que o projeto passou por ele e já foi despachado após a devida análise. “A UFRN elaborou o projeto arquitetônico, que já foi encaminhado e devidamente analisado pelo Iphan. Os projetos complementares de engenharia estão sendo contratados pela Universidade, em conformidade com o Termo de Execução Descentralizada firmado em 17/03/2015 entre as duas partes”, esclareceu o órgão, via assessoria de imprensa.