BNDES vai oferecer R$ 10 bilhões para as capitais para tratar de segurança - Joabson Silva

NOVAS

08/03/2018

BNDES vai oferecer R$ 10 bilhões para as capitais para tratar de segurança


O presidente Michel Temer e o ministro da Segurança, Raul Jungmann, anunciaram nesta quarta-feira, 7, para os prefeitos que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) terá um crédito para as capitais de R$ 10 bilhões para tratar questões da segurança. Segundo fonte presente na reunião, os dois ainda não deram detalhes de como funcionará o empréstimo.

Na semana passada, em reunião com governadores, o governo federal já havia anunciado que disponibilizará, nos próximos cinco anos, cerca de R$ 42 bilhões para Estados e municípios brasileiros investirem em ações na área de segurança pública. Os recursos fazem parte do chamado “Programa Nacional de Segurança Pública”. Do montante total, R$ 33,6 bilhões serão via BNDES, que criou uma linha de financiamento a governadores e prefeitos chamada “BNDES Segurança”.

Na terça-feira, 6, em São Paulo, o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, afirmou que o banco está preparado para fazer este ano um desembolso de R$ 4 bilhões dos R$ 5 bilhões previstos para a área de segurança pública. Segundo Rabello, o valor a ser desembolsado pelo BNDES para a segurança neste ano poderia superar os R$ 4 bilhões se não fosse a restrição eleitoral a financiamentos públicos a partir do segundo semestre. “Poderiam ser R$ 5 bilhões se não houvesse a restrição eleitoral no segundo semestre”, reforçou o banqueiro.

Para o ano que vem, Rabello disse que o desembolso do BNDES para a segurança pública poderá chegar aos R$ 12 bilhões e nos próximos cinco anos, a R$ 42 bilhões.

Dificuldade

Conforme mostrou o Broadcast/Estadão, os Estados mais endividados e com problemas mais críticos de segurança pública terão dificuldades para ter acesso à linha de financiamento de R$ 33,6 bilhões que o BNDES vai abrir para investimentos na área de segurança. Um grupo de 17 Estados e o Distrito Federal não se enquadra nas regras do Tesouro Nacional para receber garantia da União nessas operações.