Cristina Kirchner responderá a julgamento oral por formação de quadrilha - Joabson Silva

NOVAS

02/03/2018

Cristina Kirchner responderá a julgamento oral por formação de quadrilha


Um juiz da Argentina decidiu nesta sexta-feira, 2, levar a julgamento oral uma causa contra a ex-presidente e atual senadora, Cristina Kirchner, por suposta formação de quadrilha em relação à concessão de obras públicas durante seu governo, informaram fontes judiciais.

A medida foi adotada pelo juiz Julián Ercolini, responsável pela investigação do caso no qual também estão envolvidos, entre outros, o ex-ministro de Planejamento, Julio de Vido, e o empresário do ramo de construção Lázaro Baez.

O processo averígua supostas irregularidades na adjudicação de obras públicas viárias ao Grupo Austral, propriedade de Báez, na província de Santa Cruz, terra natal do falecido ex-presidente Néstor Kirchner, e reduto político dos Kirchner.

No total, 13 pessoas enfrentarão um julgamento oral por esta causa, entre as quais se destacam, além de Cristina, Báez e De Vido, o ex-secretário de Obras Públicas, José López, e o ex-subsecretário de Coordenação de Obra Pública Federal, Carlos Santiago Kirchner, primo de Néstor.

Segundo indica o juiz em sua decisão, Cristina, em seu caráter de presidente, “teria prejudicado os interesses confiantes ao violar seu dever de administrar e cuidar fielmente dos bens do Estado nacional que estavam sob a órbita da sua responsabilidade”.

Quanto a De Vido, ministro de Planejamento durante os dois mandatos de Cristina, ressalta que “teria prejudicado os interesses confiantes ao adotar decisões econômicas e administrativas” relativas às obras públicas que foram centro desta investigação.

O juiz afirma que as manobras investigadas tiveram o “objetivo de proporcionar ao empresário Lázaro Antonio Báez um lucro indevido, em prejuízo dos cofres do Estado”.

De acordo com o documento judicial, parte da manobra teria sido a “conversão formal” de Báez, amigo de Néstor e Cristina Kirchner e com quem estabeleceram “várias operações comerciais”, em um “empresário da construção”, após ter trabalhado como tesoureiro do Banco de Santa Cruz.

Segundo o magistrado, as obras eram adjudicadas ao grupo empresarial de Báez por meio de licitações com “múltiplas irregularidades, todas destinadas ao favorecimento do empresário”.