Mulheres do MST protestam na fábrica da Guararapes - Joabson Silva

NOVAS

08/03/2018

Mulheres do MST protestam na fábrica da Guararapes


Na manhã desta quinta-feira, 8, mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o MST, e da Marcha Mundial, protestaram na empresa do Grupo Guararapes, na Grande Natal.

De acordo com o MST, são cerca de 800 mulheres, vindas de vários municípios do estado, e que ainda protestam contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, destituída em 2016, e contra a reforma trabalhista.

Para Vanuza Macedo, dirigente nacional do MST, Flávio Rocha, o dono da Guararapes, “representa a hipocrisia do empresariado brasileiro, que saqueia direitos junto a políticos como Rogério Marinho (deputado federal pelo PSDB), que foi relator da Reforma Trabalhista”. A militante destaca que “desde a década de 1950, seu grupo empresarial se beneficia de isenções fiscais sendo financiado pelo poder público. De 2009 a 2016, em período de crise econômica no Brasil, sua empresa chegou a receber financiamento público de R$ 1, 4 bilhão”.

De acordo, com Cláudia Lopes, da Marcha Mundial das Mulheres, “assim como as mulheres foram as primeiras a denunciar o golpe (referência ao impeachment de Dilma Rousseff), em 2016, esse ano, nosso 8 de março, vai dar nome aos bois, aos que patrocinaram o golpe, exploram os trabalhadores e trabalhadoras e se apropriam dos recursos públicos, principalmente em um momento em que o cortes e a retirada de direitos é justificada por um rombo na receita”.

Com faixas, panfletos, palavras de ordem e batucada, as mulheres denunciam e dialogam: “reforma trabalhista é escravidão. Só quem lucra é o patrão”.