Revoltados com mau cheiro, moradores depredam abatedouro público no Oeste - Joabson Silva

NOVAS

20/04/2018

Revoltados com mau cheiro, moradores depredam abatedouro público no Oeste


Moradores de Baraúna, no Oeste potiguar, fizeram um protesto na tarde desta quarta-feira (18) no prédio do abatedouro público municipal. Revoltados com a situação de falta de higiene e o mau cheiro, os manifestantes destruíram parte do prédio.

Vizinhos do abatedouro dizem que o mau cheiro que sai do local predomina na região. Um vídeo, gravado com um aparelho celular, mostra o momento da revolta. Nas imagens, é possível ver telhas do prédio serem arrancadas. Homens, mulheres e até crianças participam da ação, e alguns chegam a jogar pedras nas paredes do abatedouro.

Na manhã desta quinta-feira (19), as ruas próximas ao prédio estavam com bastante lama. O mau cheiro também era perceptível, como reclamam os moradores.


Abatedouro novo

Segundo a Prefeitura de Baraúna, existe um novo abatedouro, construído a 5 quilômetros da cidade, que deverá estar pronto em 60 dias. Em fase de acabamento, ele foi construído de acordo com as normas sanitárias atuais.

A Controladoria Geral do Município de Baraúna disse que o prédio depredado ficará sem reparos. A justificativa é que haveria custos desnecessários para a recuperação do prédio, e o tempo que seria preciso para toda a recuperação é praticamente o mesmo para o novo abatedouro voltar a funcionar.

Contudo, ainda segundo a prefeitura, a depredação não pode ficar impune. Uma denúncia será oficializada ao Ministério Público do Rio Grande do Norte em relação ao quebra-quebra.

Estrutura atual

A estrutura do atual abatedouro tem mais de 30 anos. O local foi construído em um terreno, na época, considerado distante da área urbana. Mas, como a cidade cresceu, atualmente possui a companhia de residências vizinhas.

O serviço de abate no município foi suspenso devido às condições do espaço atual. Eram realizados cerca de 40 abates, demanda que agora é encaminhada ao abatedouro de Mossoró, enquanto o novo prédio não é finalizado.