Temer é intimado para depor e defender Henrique Alves na Operação Manus - Blog do Joabson Silva | Opinião e notícia

NOVAS

11/04/2018

Temer é intimado para depor e defender Henrique Alves na Operação Manus


O presidente da República, Michel Temer, do MDB, foi intimado pelo juiz federal Adrian Soares de Freitas, da 14 ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, para depor como testemunha de defesa dos ex-deputados federais Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha, em processo que corre no Rio Grande do Norte contra a dupla emedebista. A intimação ocorre em meio ao processo resultante da Operação Manus. Henrique e Cunha estão presos há nove meses.

Na intimação, o juiz Adrian Soares indaga Temer sobre a disponibilidade de o presidente depor nos dias 12 ou 13 de abril. Os depoimentos poderão ser colhidos por meio de videoconferência, em Brasília, ou por escrito, com o envio das respostas por parte da Justiça Federal do RN.

Cunha e Alves são réus em um processo que apura desvio de recursos públicos e corrupção envolvendo empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato. Em troca, os ex-deputados receberiam propina.

Os dois chegaram a ser presos pela Operação Manus, mas tiveram suas prisões preventivas transformadas em domiciliar pela Justiça Federal. Contudo, seguem detidos por conta de outro mandado de prisão, resultante da Operação Sepsis, que também investiga os dois, mas esta por suposto desvio de recursos na Caixa Econômica Federal.

PRISÃO NEGADA

Nesta quarta-feira, 11, a 12ª vara federal do Distrito Federal revelou ter negado novos mandados de prisão contra Eduardo Cunha e o ex-deputado potiguar Henrique Eduardo Alves – ambos estão presos por conta da Operação Manus.

O Ministério Público havia pedido a prisão dos dois em meio a investigação do chamado “quadrilhão do MDB” e, além da dupla que já está presa, estavam inclusos também o ex-ministro Geddel Vieira Lima, o advogado e ex-assessor da Presidência, José Yunes, o ex-deputado e ex-assessor do presidente, Rodrigo Rocha Loures, e o coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo João Baptista Lima Filho. Todos foram negados.