Corregedor-geral defende realização de concurso no Ministério Público do RN - Joabson Silva

NOVAS

22/05/2018

Corregedor-geral defende realização de concurso no Ministério Público do RN


Apesar das dificuldades financeiras enfrentadas pelo Estado, o que tem resultado na diminuição das receitas da instituição, o corregedor-geral do Ministério Público do Rio Grande do Norte, Anísio Marinho Neto, defende que a realização de um concurso público para membros e servidores seja uma “prioridade” na segunda metade do mandato de Eudo Rodrigues Leite na Procuradoria-Geral de Justiça.

“O maior desafio do procurador-geral de Justiça até a conclusão do mandato será gerir o Ministério Público com cada vez menos recursos financeiros. O MP passa por dificuldades. Mas acho que o procurador-geral precisa realizar um concurso público. Entendo que isso deveria ser uma prioridade”, argumenta o corregedor.

Anísio Marinho reconhece que a iniciativa depende de recursos financeiros – não só para realizar o certame em si, mas também para manter a estrutura depois da contratação dos aprovados. “Mas torço para que o Estado melhore. Hoje há uma carência de 10%, que, espalhada dentro da instituição, compromete um trabalho eficiente. Isso porque há pontos com demanda maior. Em setores com maior demanda, essa carência faz falta. Torço para que o procurador possa equalizar isso dentro do próximo ano de gestão”, pontua Anísio.

O procurador-geral de Justiça, Eudo Rodrigues Leite, vai completar no mês de junho um ano à frente do Ministério Público Estadual. Nos próximos dias, a instituição deverá divulgar um balanço das ações executadas nos últimos meses, mas há quem se antecipe na avaliação do trabalho. É o caso do corregedor-geral, que, em que pese a recomendação para realização do concurso, destaca as parcerias e a disposição para o diálogo como principais marcas da atual gestão do MP Estadual.

Na opinião de Anísio Marinho, essas duas características de Eudo Leite têm dado “maior resolutividade” ao Ministério Público. “Temos feito parcerias institucionais importantes, como mutirões em promotorias para adiantar procedimentos que, em alguns casos, estavam sem movimentação há quatro anos. Assim, estamos fazendo uma seletividade para destacar o que é de maior relevância para a sociedade. Temos conseguido fazer isso a partir de uma parceria com a Procuradoria-Geral de Justiça”, destaca o corregedor.

Outro ponto elogiado pelo corregedor, figura que tem a prerrogativa de inspecionar o trabalho dos demais profissionais da instituição, é a melhoria dos critérios para promoção de membros do Ministério Público. “Temos agora critérios mais objetivos. Publicamos uma resolução, e isso tem movimentado a classe”, afirma Anísio.

“Além disso, o que nós [membros do MP] temos feito em relação ao Dr. Eudo Leite é a manutenção da construção permanente do diálogo. Assim, podemos encontrar caminhos que possam unir a instituição, para que não tenhamos uma gestão autoritária”, finaliza.