Mesmo sem vice empresário, Fátima Bezerra tenta se aproximar da Fiern - Joabson Silva

NOVAS

11/07/2018

Mesmo sem vice empresário, Fátima Bezerra tenta se aproximar da Fiern


A senadora Fátima Bezerra, do PT, continua a sua missão de se aproximar, enquanto pré-candidata ao Governo do RN, do setor industrial e empresarial do Estado. Nesta semana, inclusive, a parlamentar teve mais um encontro com a Federação da Indústria do RN (Fiern) e solicitou ao presidente da instituição, Amaro Sales, que designe um representante para ajudar na formulação do plano de governo dela, como forma de contemplar ideias do segmento industrial potiguar.

“Estamos aqui para ouvir a opinião do setor industrial do nosso Estado, através de sua liderança maior, que é o presidente Amaro Sales”, afirmou Fátima Bezerra, após o encontro desta semana. “Entendemos que é o nosso dever dialogar com os diversos segmentos da sociedade norte-riograndense, e evidente que ouvir a voz, o pensamento do setor produtivo é muito importante”, acrescentou.

Em contrapartida, o presidente da Federação da Indústria entregou à senadora uma cópia impressa do projeto de desenvolvimento MAIS RN. “Trata-se de um projeto elaborado com orgulho e esmero durante esses quatro anos que estamos trabalhando”, explicou Amaro Sales.

A ideia do PT de se aproximar do setor empresarial e industrial do Estado não é de hoje. Há algumas semanas, o partido percebeu que apenas com os votos dos petistas não conseguirá ganhar a eleição e tem trabalhado na ideia de que a sigla foi boa para os negócios privados e que a crise atual não é culpa dela. Além disso, tem deixado de lado temas que os separam do setor, como a reforma trabalhista e a previdenciária, defendidas pela Fiern, mas duramente criticadas pelos petistas.

Para viabilizar essa aproximação, inclusive, o PT até tentou colocar um vice ligado ao setor na chapa de Fátima. Seria João Hélio, diretor do Sebrae-RN, que acabou sendo preterido para que partido acomodasse na majoritária o PC do B – no caso, o presidente comunista no RN, Antenor Roberto, que foi o escolhido.

Como a imagem de comunista é, justamente, o que o partido não quer neste momento, os diálogos com o segmento empresarial e industrial deverão ser intensificados nas próximas semanas, com a evolução também do projeto de governo petista. “Foi com o PT que os empresários mais ganharam. O PT não quer tirar nada de ninguém não. Quer é que o povo ganhe dinheiro”, afirmou o petista Fernando Lucena, em recente entrevista, mostrando que estratégia do partido de aproximação com os empresários não é “segredo”.