Comerciantes aprovam lei que proíbe o uso de canudos de plásticos no RN - Joabson Silva

NOVAS

10/09/2018

Comerciantes aprovam lei que proíbe o uso de canudos de plásticos no RN


A partir do momento em que o governador Robinson Faria sancionar o projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa na semana passada, donos de restaurantes, bares, quiosques, ambulantes, hotéis e similares no Estado terão 180 dias para banir os canudos plásticos e substituí-los por similares biodegradáveis em seus estabelecimentos.

Aqueles que não cumprirem o prazo estarão sujeitos à aplicação de multa nos termos do Código de Defesa do Consumidor. A medida já é lei no estado do Rio de Janeiro e na cidade de Santos, litoral paulista.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Artur Couto, aprova a nova lei. No entanto, ele espera que a regra seja modificada para não obrigar os comerciantes a adquirir produtos biodegradáveis. O preço de uma unidade do canudo de plástico comum é de R$ 0,01. Em contrapartida, o utensílio feito de material biodegradável pode custar R$ 0,25. “Apoiamos a lei, desde que não tenhamos custos com a substituição de canudos. O corte tem que ser integral”, afirma.

Ouvidos pelo Agora RN, outros comerciantes aprovaram o projeto de lei. Para Renata Lima Batista, a medida vai reduzir a poluição ambiental. “Eu sempre disponibilizei canudos para meus clientes e nunca tinha parado para pensar que prejudicasse tanto”, considerou a ambulante Renata Lima Batista.

José Cavalcante Araújo, dono de uma lanchonete, afirmou que a proibição não deve ocasionar tanto impacto em seu comércio, já que há outras opções de canudos para seus clientes. “Os canudos não são caros e, já que temos outras opções, não vai mudar muita coisa em meu comércio. Gostei muito dessa nova lei”, relatou José.

Para a deputada estadual Márcia Maia (PSDB), autora do projeto, a aprovação da medida é fundamental para que a sociedade promova uma mudança de cultura. A partir de uma legislação que auxilie no processo, segundo ela, será possível dar um passo importante na preservação do meio ambiente e da vida marinha, a partir da redução na produção de lixo pela sociedade.

“O Rio Grande do Norte tem um litoral com mais de 400 quilômetros de extensão, e é fundamental que haja cuidado com a produção de resíduos e lixo, especialmente em razão do impacto que nosso comportamento tem no meio ambiente. Agora esperamos que o Governo do Estado sancione a medida para que se torne lei o mais rápido possível”, defendeu Márcia Maia.