Apenas 6% das cidades têm serviço de mamografia no Rio Grande do Norte - Joabson Silva

NOVAS

15/10/2018

Apenas 6% das cidades têm serviço de mamografia no Rio Grande do Norte


O Rio Grande do Norte contabiliza apenas nove municípios ofertando serviços de mamografia. Ao todo, são 27 mamógrafos credenciados ao Sistema Único de Saúde (SUS) – incluindo o sistema privado.

Natal concentra 24% de toda a oferta de mamógrafos do Estado. A cada quatro equipamentos de exame clínico, um deles está na capital.

Atualmente, o serviço de mamografia está ativo em Natal, Mossoró, Pau dos Ferros, Caicó, Santa Cruz, Currais Novos, Parnamirim, São Gonçalo e Alexandria. As outras duas localidades estão em processo de contratação, segundo a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap).

Dos 27 mamógrafos, apenas cinco são capazes de identificar a posição exata do tumor para a realização de biópsia ou a retirada do tumor de forma precisa, que é chamada de estereotaxia. Os outros 22 são mamógrafos de comando simples, que realizam o exame preventivo e o diagnóstico precoce do câncer de mama.

Na capital do Estado, são disponibilizados cinco serviços com mamógrafos simples e dois com estereotaxia, com capacidade para produzir cerca de 135 mil mamografias por ano. De janeiro a julho deste ano foram realizados 16 mil exames, com tempo médio de espera de 30 dias, segundo a Sesap.

Segundo o médico mastologista, Maciel Matias, a demora no diagnóstico é um fator determinante na cura da paciente. “O diagnóstico precoce, é na verdade, a única chance que a mulher tem hoje para fazer o seu tratamento com chance de cura”, declarou. “Um centímetro de tumor contém 1 bilhão de células. Se a mulher chega, como acontece na maioria das vezes, com tumor de mais de cinco centímetros, as chances dessa doença estar distribuída em todo seu corpo é muito maior”, explicou Maciel.

A Sesap informou ainda que intensifica as ações de prevenção por meio do Programa de Controle do Câncer de Mama. O mês de outubro também aborda o tema através da campanha outubro rosa. A iniciativa visa alertar e conscientizar as mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce e prevenção da doença. O parâmetro estabelecido pelo Ministério da Saúde é de um mamógrafo para cada 240 mil habitantes.

Com os atuais 27 mamógrafos credenciado, o Rio Grande do Norte está dentro dos parâmetros. Contudo, a demanda pelo exame ainda é grande. A agricultora Terezinha Dias, de 47 anos, residente no município de Santa Maria, conta que está a quase um ano esperando para marcar o exame. “Estou há 10 meses esperando para marcar o exame de mamografia, procurei a secretaria municipal de saúde e ainda não consegui marcar”, explicou.

Em sua família já houve casos de câncer de mama e ela teme que possa acontecer com ela. “A gente nunca sabe se vai acontecer com a gente, por isso, faço anualmente o exame preventivo”, finalizou.