Derrota de Adjuto serve de alerta para o prefeito de Natal abrir o olho com relação a reeleição - Joabson Silva

NOVAS

08/10/2018

Derrota de Adjuto serve de alerta para o prefeito de Natal abrir o olho com relação a reeleição


A não eleição do delegado de Polícia Civil Adjuto Dias para deputado estadual é uma das principais “zebras” do processo eleitoral encerado neste domingo, dia 7.

Adjuto, que é filho do prefeito de Natal, Álvaro Dias – um líder político da região do Seridó, fez uma campanha como manda o “figurino” – intensa, propositiva e agregadora.

Dias aparecia como eleito em todas as relações eleitorais. No domingo, dia 7, ele acordou como um dos prováveis eleitos e foi dormir como suplente, ocupando a 25ª posição entre os 24 nomes eleitos para a Assembleia Legislativa.

Ele obteve um total de 28.697 votos no Rio Grande do Norte é mesmo assim ficou de fora, cedendo lugar para candidatos eleitos com menos votos, como os vereadores Sandro Pimentel (19.158 votos) e Ubaldo Fernandes (20.148 votos), que entraram na Assembleia por força das suas coligações.

Na verdade, um dos fatores para a não eleição de Adjuto Dias foi a quebra de votos em Natal, onde ele tinha o apoio de 7 vereadores (Felipe Alves, Chagas Catarino, Preto Aquino, Luiz Almir, Sueldo Medeiros e Kleber Fernandes) que certamente não conseguiram transferir os votos necessários. A votação do filho do prefeito Álvaro Dias na capital foi de 7.939 votos, que pode ser considera pouco expressiva tendo em vista o aparato de apoio do candidato.

Segundo informações de coordenadores de sua campanha, a expectativa de votos em Natal girava em torno de 12 mil votos, mas abertas as urnas apareceram apenas pouco mais de 7.900.

A quebra de votos também está sendo associada ao eventual “descompromisso” que teria sido protagonizado por aliados políticos e até mesmo auxiliares ocupantes de cargos de confiança na Prefeitura.

A derrota de Adjuto pode servir de lição para o pai Álvaro Dias. Se este almeja se reeleger prefeito da capital, é bom desde já dar feição própria ao governo que comanda, separar o joio do trigo, montar um time compromissado e dizer a que veio.

Natal acaba de lhe provar que é uma cidade escorregadia e plural.

Blog do FM