Investimentos em queijeiras fomentam mercado e geram emprego e renda no RN - Joabson Silva

NOVAS

02/10/2018

Investimentos em queijeiras fomentam mercado e geram emprego e renda no RN


A Queijeira São Francisco, localizada na zona rural de Santana do Seridó, foi uma das selecionadas pelo Edital de Leite e Derivados lançado pelo projeto Governo Cidadão, com recursos do acordo de empréstimo com o Banco Mundial, e vai receber R$ 470 mil para serem investidos na construção de uma sede própria, aquisição de todos os equipamentos necessários à obtenção da certificação sanitária.

De lá saem em média 100 quilos de queijo de manteiga e de coalho por dia para municípios vizinhos e até a Paraíba, a um preço que tem tornado o negócio difícil de manter devido à figura do atravessador. Este problema, porém, está com os dias contados: Francisco é um dos 39 produtores beneficiados com investimentos do Governo do Estado que vão estruturar as queijeiras e equipá-las para obter a tão sonhada certificação.

Depois de pronta, a queijeira terá capacidade para dois mil litros diários. “Os investimentos são fundamentais para regularizar as queijeiras e manter viva a tradição do queijo de coalho e de manteiga no Rio Grande do Norte. O objetivo é fomentar este mercado, incentivar o pequeno produtor e gerar emprego e renda no interior”, destaca o secretário da Sethas e coordenador do projeto Governo Cidadão, Vagner Araújo, que visitou a queijeira na última sexta-feira, 28, ao lado da secretária-chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes, e a gerente executiva do projeto Ana Guedes.

Saiba mais

Os investimentos nas 39 queijeiras somam R$ 23 milhões e são oriundos do Edital de Apoio à Cadeia Produtiva do Leite e Derivados da Agricultura Familiar, lançado com intuito de dar apoio financeiro e técnico às organizações que produzem leite e derivados no Seridó. O objetivo é a regularização sanitária das queijeiras por meio da adequação da infraestrutura, aquisição de maquinário e equipamento necessário, melhoria na logística do transporte, comercialização e capacitação dos funcionários da comunidade. A regularização é importante para que as cooperativas recebam o selo das instituições sanitárias vigentes: Serviço de Inspeção Municipal; Instituto de Defesa e Inspeção Sanitária (IDIARN); Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).