Rio Grande do Norte gera 1.726 empregos em setembro, aponta Caged - Joabson Silva

NOVAS

24/10/2018

Rio Grande do Norte gera 1.726 empregos em setembro, aponta Caged


O Rio Grande do Norte gerou 1.726 empregos formais no mês de setembro, de acordo com levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado na última segunda-feira, 22. O indicador, que apresentou uma variação de 0,41%, mede a diferente entre contratações (11.815) e demissões (10.089). Este foi o segundo melhor resultado positivo na criação de emprego formal.

Ainda conforme o levantamento, a agropecuária foi o setor que mais empregou, abrindo 723 vagas no Estado. Em segundo lugar, vem a indústria da transformação, que ofereceu 445 empregos. Em seguida, o setor de Serviços com 384 vagas, e o Comércio com 288.

Em comparação a agosto, mês com o melhor saldo de empregos no Rio Grande do Norte, com 4.486 vagas, houve uma retração de 2.760 empregos formais.

Números negativos

Por outro lado, houve setores que deixaram de empregar em setembro, como a Construção Civil, com -142 empregos (em agosto, a área havia empregado 416 profissionais). O setor de Serviços Industriais de Utilidade Pública também foi destaque negativo, com -15 carteiras assinadas.

Brasil

O presidente Michel Temer comemorou os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, divulgados pela pasta. O presidente destacou o saldo positivo de 137,3 mil carteiras de trabalho assinadas em setembro.

“É sinal de progresso no país, acerto na reforma trabalhista e de otimismo no país”, disse o presidente ao lado do ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello, em vídeo divulgado em sua conta no Twitter. O número celebrado por Temer é resultado de 1.234.591 admissões e 1.097.255 desligamentos no mês passado, o melhor resultado para setembro em cinco anos.

O acumulado de janeiro a setembro apresenta acréscimo de 719 mil vagas, um crescimento de 1,90%. O melhor desempenho no mês foi do setor de serviços, que abriu 60,9 mil novos postos de trabalho. Os grandes destaques deste setor foram o comércio e a administração de imóveis, valores mobiliários e serviço técnico, que abriu 25.872 postos, e os serviços de alojamento, alimentação, reparação, manutenção e redação, com 13.168 vagas.

O nível de emprego caiu apenas no setor da agropecuária, que demitiu 2.688 trabalhadores a mais do que contratou no mês passado. Tradicionalmente, setembro registra contratações pela indústria, que começa a produzir para o Natal. Em contrapartida, o mês registra demissões no campo, por causa da entressafra de diversos produtos.