Como usar o 13° salário para sair do endividamento - Joabson Silva

NOVAS

23/11/2018

Como usar o 13° salário para sair do endividamento


O endividamento das famílias continua crescente, e o 13º salário pode ser a saída do buraco financeiro para alguns. De acordo com o levantamento realizado em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 17% dos trabalhadores pretendem utilizar o dinheiro extra para quitar dívidas que estão em atraso. Há ainda 16% que vão gastar o recurso durante as festividades de Natal e Ano Novo e 13% que vão pagar despesas essenciais da casa, como contas de água e luz. Outra alternativa, que aparece com menos força (11%), é guardar o dinheiro extra para cobrir tributos e impostos típicos de início de ano, como IPTU e IPVA, por exemplo.

A segunda parcela do 13º deve ser paga até o dia 20 de dezembro, e no cenário contínuo de crise econômica por que passa o País, as famílias já devem planejar como colocar as contas em dia. A gratificação natalina, nome correto do popular décimo terceiro salário, ocorre uma vez ao ano e, por isso, não deve compor o orçamento mensal, de acordo com o professor Jorge de Medeiros, professor do curso de Gestão Financeira da Estácio. Para ele, é preciso reconhecer o que é necessidade e o que é desejo, listar a realidade orçamentária e, somente depois, planejar o que fazer com a gratificação.

“Quitar as dívidas parece ser sempre a primeira opção de quem recebe o décimo terceiro. Porém, isso demonstra uma falta de controle durante todo o ano, e sem planejamento, a situação vai se repetir em 2019. É preciso, antes de tudo, uma mudança de mentalidade financeira”, aconselha o professor. A indicação é de analisar seus gastos do ano não somente em curto prazo, mas também no médio e longo, que são impactantes no orçamento.

O consultor sugere, portanto, que para as dívidas de 2018 é imprescindível negociar. Se houver uma possibilidade de redução de juros, o décimo terceiro pode ser utilizado para quitar a dívida, ou pelo menos abater o valor. “Mesmo que não exista a possibilidade de negociação, é interessante procurar liquidar pelo valor normal. A melhor saída sempre é quitar a dívida em que circunstancia for”, afirma Jorge de Medeiros. Se tiver de decidir qual dívida pagar, escolha a com maior juro.

Já pensando no material escolar, o professor indica que empregar o salário extra com essas compras é uma excelente opção. “Sabe-se que nos meses de janeiro e fevereiro, principalmente, esse tipo de produto sofre uma elevação nos preços devido ao aumento da demanda por esses bens. Comprar antes pode evitar um gasto maior”, indica Medeiros. A orientação também vale para os gastos de inicio de ano. O 13º também pode ser guardado para contas como IPTU, IPVA, entre outros.