Indicações políticas para diretoria do Sebrae geram mal-estar na entidade - Joabson Silva

NOVAS

28/11/2018

Indicações políticas para diretoria do Sebrae geram mal-estar na entidade


O engenheiro Marcelo Toscano, atual presidente da Companhia de Águas e Esgoto do Rio Grande do Norte (Caern), e o administrador de empresas João Hélio Cavalcanti Júnior integrarão a nova diretoria do Sebrae-RN durante a gestão do empresário Marcelo Queiroz na presidência do Conselho Deliberativo da entidade.

As inscrições de novas chapas encerraram nesta terça-feira, 27, e a eleição da chapa única acontece nesta sexta-feira, 30.

Assim, a composição da nova diretoria da instituição terá Marcelo Queiroz na presidência do Conselho Deliberativo; José Ferreira de Melo Neto, o Zeca Melo, mais uma vez na Superintendência; João Hélio Cavalcanti, que já ocupava a Diretoria Técnica, mas se licenciou para participar da campanha da governadora eleita Fátima Bezerra, de volta ao cargo; e Marcelo Toscano, que deixará a Caern, na Diretoria Operacional.

As indicações de Toscano, feita pelo governador Robinson Faria, que deixa o cargo em janeiro, e a de João Hélio Cavalcanti, da governadora eleita Fátima Bezerra, que assume em janeiro, produziram mal estar dentro do Sebrae-RN, especialmente do atual diretor de Operações, Eduardo Viana, um funcionário de 30 anos da instituição que apostava nas credenciais de “mérito” para se manter na diretoria.

“Infelizmente, o Sebrae do RN não era tão blindado contra ações políticas, como chegou a declarar numa entrevista ao Agora RN o atual presidente do Conselho Deliberativo, José Vieira”, lamentou Viana.

Atual presidente do Conselho do Sebrae-RN, José Vieira, explicou que ele só representa o voto da Federação da Agricultura (Faern). “São oito entidades privadas, três do governo estadual, três do governo federal e um do Sebrae nacional, com assentos no Conselho Deliberativo, num total de 15”, justificou.

Para Eduardo Viana, a simples indicação de dois nomes ligados à política estadual representa um retrocesso para o Sebrae RN e a tradição técnica da instituição, embora uma delas já ocupasse cargo na diretoria, caso de João Hélio.

“Praticamente será uma contramão na história do Sebrae, que é marcado pelo trabalho técnico de qualidade. No mundo inteiro essas indicações estão predominando, o Brasil não pode retroceder para indicações políticas”, disse Eduardo Viana, em entrevista ao programa Meio Dia Cidade, da 94 FM.

José Vieira não quis comentar as declarações de seu diretor. “Eu não posso interferir na escolha dos outros 14 conselheiros”, resumiu.