Enzo Gabriel e Maria Clara são os nomes mais comuns entre recém-nascidos no RN - Joabson Silva

NOVAS

29/12/2018

Enzo Gabriel e Maria Clara são os nomes mais comuns entre recém-nascidos no RN


Os nomes Enzo Gabriel, João Miguel e Pedro Henrique foram os mais comuns entre os bebês potiguares do sexo masculino registrados no Estado em 2018. No ranking das meninas, estão Maria Clara, Maria Helena e Maria Cecília.

Os dados são do Portal da Transparência do Registro Civil, iniciativa da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais do Brasil (Arpen-Brasil) que entrou no ar esta semana.

De acordo com o portal, foram registrados 45.148 nascimentos no Rio Grande do Norte em 2018. A cidade em que houve mais registros foi a capital, Natal, com 13.810, seguida de Mossoró, com 7.148, e Parnamirim, com 3.297.

Segundo a presidente da Associação dos Notários e Registradores do RN (Anoreg/RN), Maria Lucivam Fontes, a meta do segmento é registrar todos os nascimentos do País. “Esse é o trabalho constante dos registradores civis do RN: alcançarmos o patamar do registro zero. Queremos que todos os nascidos tenham o registro de nascimento e CPF desde o primeiro dia de sua existência”, declarou Lucivam.

Em 2017, o Estado registrou 18 mil nascimentos. Em 2016 e 2015, esse número foi de 13 mil. Segundo a presidente da Anoreg, o salto nos números em 2018 se deve ao novo sistema de registro. “Nos anos anteriores, não tínhamos um programa tão eficaz. Agora, temos um único programa para todos os cartórios, que permite a uniformidade e simplifica nosso trabalho”, enfatizou.

Ainda segundo os dados, os registros emitidos de óbitos chegaram a 7.984 no Estado em 2018. Natal foi a cidade em que mais houve mortes, com 3.514. Em segundo, aparece a cidade de Mossoró, com 929 registros, seguido de Parnamirim, com 730. 

No que se refere aos casamentos, foram registrados 5.148. A capital potiguar também aparece como a primeira cidade, com 2.301, seguida de Parnamirim, com 793, e Mossoró, com 629. 

“O trabalho do registrador civil é muito importante. Somos os guardadores e cuidadores de todas as informações da história de vida de cada cidadão potiguar”, concluiu Lucivam.