Emparn explica a ocorrência de ventos fortes no interior do RN - Joabson Silva

NOVAS

08/01/2019

Emparn explica a ocorrência de ventos fortes no interior do RN


Ontem (7), por volta da 17:00hs, foi registrado por moradores da cidade de Macau-RN, uma forte ventania na cidade, o que ocasionou transtornos na cidade. A explicação para a ocorrência desses fortes ventos, com velocidade acima de 50km/h foi a formação de uma célula de instabilidade sobre os municípios de Pendencia, Carnaubais e Alto do Rodrigues, onde registraram-se chuvas com índices em torno de 40mm no período de 2 horas.A formação dessa célula de instabilidade (área de baixa pressão) ocasionou o deslocamento acentuado do ar nas regiões circunvizinhas.

Não é comum a formação e precipitação de granizo atmosférico aqui na região equatorial (15oBN a 15oS), devido a região ser a mais quente do planeta e o nível de congelamento estar muito elevado na atmosfera. Mas em casos excepcionais, quando tem-se a presença de um sistema meteorológico causador de instabilidade, juntamente com aspectos físicos favoráveis, com o caso do relevo, é possível a formação de nuvens do tipo Cumulus Nimbus (figura abaixo), que tem forte formação vertical, atingindo mais de 12 km de altura, e que possa conduzir as gotículas de água no seu interior, através do movimento vertical a atingir o nível de congelamento, provocando assim a formação das pedrinhas de gelo que dependendo do seu peso, venha a precipitar no formato de granizo.

Rajadas de vento causaram prejuízos em Macau

O moinho de vento que fica na entrada de Macau, no litoral Norte potiguar, foi parcialmente destruído após as rajadas de vento que atingiram a cidade no final da tarde de ontem. O Gabinete da Prefeitura confirmou os estragos na estrutura.

“Completamente destruído (o moinho) pela força dos ventos, que chegaram a 50 quilômetros por hora”, afirmou o chefe de gabinete, Bosco Afonso.

Também houve registros de quedas de árvores e tetos pelo município. O monumento na entrada de Macau é um dos símbolos da cidade e da Costa Branca do Rio Grande do Norte, região produtora de sal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário