Novos dirigentes vão gerir o Sebrae no RN até 2022 - Joabson Silva

NOVAS

17/01/2019

Novos dirigentes vão gerir o Sebrae no RN até 2022


O Sebrae no Rio Grande do Norte empossou nessa quarta-feira (16) os novos dirigentes que vão levar adiante o trabalho da instituição até 2022, em solenidade prestigiada por empresários, políticos e representantes do setor produtivo. Marcelo Fernandes de Queiroz assume a presidência do Conselho Deliberativo Estadual (CDE), no lugar de José Vieira, pelos próximos quatro anos. A diretoria executiva formada pelos diretores José Ferreira de Melo Neto (superintendente), João Hélio Cavalcanti (diretor técnico), ambos reconduzidos para os respectivos cargos, e o diretor de Operações, Marcelo Saldanha Toscano.

Eles assumem já com o desafio de atender 34.620 negócios de pequeno porte, realizar 62 mil atendimentos a potenciais empresários e empreendedores e levar soluções de inovação a 4 mil empresas potiguares ao longo deste ano. Além dos dirigentes, a também foram empossados durante a solenidade os membros do conselho fiscal da instituição.

Durante o discurso, Marcelo Queiroz demonstrou a satisfação pessoal em assumir a presidência do Conselho Deliberativo do Sebrae, que considera a mãe dos pequenos empreendedores, ao contar um pouco da trajetória empresarial. “Chegar ao cargo de presidente deste conselho, ungido por meus pares e podendo contar com o suporte de uma diretoria experiente, competente e comprometida, é algo tão particularmente especial”, destacou.

O novo presidente prometeu dar prosseguimento ao trabalho, além de reforçar e ampliar a excelência nas ações que serão desenvolvidas. “Tenho certeza de que, com o apoio da equipe de técnicos e colaboradores – um time cuja excelência dispensa comentários e que é muito bem conhecido, e reconhecido, por todo RN -, o empenho da nossa diretoria executiva e, ainda, com o suporte indispensável dos conselheiros, poderemos dar o nosso máximo na defesa dos pequenos negócios do RN”.

Prometeu também uma atenção especial ao segmento que representa, o setor de comércio e serviços, que, segundo ele, totaliza cerca de 84%das empresas do estado. “É incontestável que esses dois segmentos são pilares econômicos do estado e do país. Por isso, sem dúvida, merecem atenção especial. Mas isso não quer dizer, em hipótese alguma, que iremos deixar de levantar as bandeiras dos segmentos de indústria, transportes e agricultura. Cada um tem sua relevância, cada um tem seu lugar no trabalho que este Sebrae já realiza com tanta maestria”, garantiu.

O diretor superintendente José Ferreira de Melo Neto, o Zeca Melo, falou em nome da diretoria executiva durante a cerimônia de posse. Ele destacou as ações já realizadas nos últimos anos e ressaltou o espírito com o qual os novos dirigentes assumem a instituição. “Presente, passado e futuro, unidos por um ideal comum: a crença na livre-iniciativa, no apoio obstinado, ostensivo e obsessivo àqueles que esperam empreender no nosso estado. Pessoas e tempos comprometidos com a esperança de um futuro melhor. Para concretização desse ideal realizado, o Sebrae teve e tem algumas vantagens, a maior delas é, sem dúvida, a credibilidade que desfruta junto ao seu público”.

Diretoria executiva

Durante o discurso, Zeca Melo abordou a questão das contribuições empresariais do Sistema S e esclareceu que as grandes empresas brasileiras, não enquadradas no Simples Nacional, são a principais contribuintes do sistema, e não as micro e pequenas empresas. “As 164 mil empresas potiguares, optantes pelo Simples e donatárias das ações do Sebrae, são isentas de contribuição do Sistema S”.

Ainda sobre o tema orçamento, Zeca Melo lançou indagações sobre uma possível redução orçamentária do Sebrae, como cogita a equipe econômica do governo federal. “Há uma ligação entre o apoio do Sebrae e as micro e pequenas empresas do Rio Grande Norte e a sua capacidade de geração de empregos? A redução orçamentária do Sebrae afetará projetos e programas voltados pequenos negócios? É possível manter a mesma efetividade de atendimento com orçamento deprimido”, questionou o superintendente.

Já o diretor técnico João Hélio Cavalcanti falou da satisfação de exercer o cargo por mais quatro anos. “É motivo de grande alegria e é um reconhecimento da credibilidade do trabalho executado anteriormente”, resume.

Ele também comentou os desafios para a área técnica da instituição. “Nós acreditamos muito na recuperação social e econômica do estado. Teremos um grande desafio, que é manter o homem no campo, com qualidade de vida e geração de renda nesses ambientes tão difíceis, assim como fortalecer a micro e pequena empresa nos pequenos municípios, pois sabemos o quanto a receita desses municípios está atrelada ao setor público. É importante desenvolver as atividades do setor privado para diminuir essa dependência. Temos de criar cada vez mais um ambiente favorável para se empreender no nosso estado de forma desburocratizada e simplificada. Será muito importante como diretor técnico desta casa a valorização dos colaboradores diretos e indiretos”, disse João Hélio.

O diretor de operações, Marcelo Toscano, revelou que entra na instituição, com perspectivas otimistas de ampliação da rede de atendimento e fortalecimento institucional. “As expectativas são gigantescas e o desafio é enorme, dar continuidade a gestão que já vinha sendo executada. Queremos dar continuidade aos trabalhos que já vinham sendo desenvolvidos e ampliar cada vez mais, fortalecendo a instituição Sebrae e os micro e pequenos negócios. A instituição tem um papel importantíssimo no Rio Grande do Norte esperamos aumentar o empreendedorismo no estado de maneira sustentável e competitiva”, declarou o diretor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário