Guedes sugere congelar salários de servidores por dois anos - Joabson Silva

NOVAS

06/04/2020

Guedes sugere congelar salários de servidores por dois anos


Por conta da crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus, 0 ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu o congelamento do salário de servidores públicos por dois anos. Ele descartou o corte na remuneração dos funcionários federais durante a crise, visto que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não “aceita falar disso”. São informações de O Globo.

As declarações foram feitas em uma reunião por videoconferência com deputados do DEM, neste domingo (05/04). O encontro foi fechado para o público, mas a reportagem obteve os relatos de parlamentares que participaram do encontro.

Guedes citou um risco deflacionário em um eventual corte de salários. Mas afirmou que o setor público precisa dar exemplo e, para isso, seria necessário “congelar os salários durante dois anos”.

Segundo os relatos, Guedes afirmou que a economia com essa medida seria a mesma de promover cortes salariais, mas sem risco de isso gerar uma deflação.

Sem redução

A equipe do ministro chegou a escrever uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para cortar em 25% os vencimentos dos servidores, com proporcional redução de jornada de trabalho. Bolsonaro, porém, não aceita tratar desse assunto, disse o ministro, segundo fontes.

Na reunião, o ministro também estimou que a crise econômica decorrente da Covid-19 vai demorar “três ou quatro” meses. Mas defendeu a continuidade da agenda de reformas estruturantes.

O ministro disse não querer ver o ano de 2020 como um “grande arrombamento”, apesar de garantir que o governo vai gastar o que for necessário para conter os efeitos do coronavírus.

Rombo bilionário

Segundo dados do Ministério da Economia, medidas anunciadas pelo governo para combater o coronavírus irão custar R$ 224 bilhões.

Junto à queda na receita, isso vai gerar um rombo de R$ 419 bilhões nas contas públicas em 2020, o equivalente a 5,55% do Produto Interno Bruto (PIB).

Nenhum comentário:

Postar um comentário